O RITUAL DO DARUMA

Daruma (em japonês だるま) é uma espécie de boneco, ou espírito evoluído, que representa Bodhidharma, um monge da Índia que fundou o Zen Budismo na China. Ele atingiu a “iluminação” budista após meditar por um período de nove anos. Dizem que ele permaneceu sem mover ou fechar os olhos. Durante o processo, o monge removeu suas pálpebras de modo que ele não dormisse durante a meditação, e seus membros atrofiaram pelo desuso nos nove anos de meditação. O nome Daruma foi dado pelos japoneses (vem da pronúncia de Dharma).

O daruma geralmente é feito de madeira e é representado como uma figura arrendondada, com corpo vermelho, sem braços e sem pernas. Seus olhos não têm pupilas. As pessoas usam os bonecos para fazerem pedidos.

 

O ritual do pedido

O presenteado é responsável por desenhar os olhos no Daruma.

Primeiro, desenha-se somente um dos olhos e faz o pedido ou o desejo, quando este for realizado, o segundo olho pode ser pintado em forma de agradecimento.

Após o preenchimento do segundo olho, e passado algum tempo, deixa de ser necessário guardar o boneco.

Procedemos, então, à última parte do ritual, queimar o boneco. Queima-se o boneco, para que o kami (espiríto) tenha conhecimento que não foi esquecido o pedido nem que o tenhas desistido dele.

 

Simbologia

A cor vermelha está associada ao traje do supremo sacerdote do budismo utilizado na altura de Bodhidharma.

Em algumas regiões no Japão, o Daruma é pintado de branco.

A área branca dos olhos tem uma conexão de boa sorte, que é reforçada com a parte dourada através de um símbolo de prosperidade ou de um bom resultado.

A figura é caracterizada com alguns aspectos físicos: Sobrancelhas e barba. As sobrancelhas representam as aves grous e a barba representa a tartaruga. Ambos os animais têm uma simbologia associada à longevidade.

 

Fonte: Wilipedia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Daruma

 

Referências
↑ McRae, John (2003), Seeing Through Zen. Encounter, Transformation, and Genealogy in Chinese Chan Buddhism, The University Press Group Ltd, ISBN 978-0-520-23798-8
↑ Chapin, Helen B. “Three Early Portraits of Bodhidharma.” p.93
↑ «Japan: The Right Eye of Daruma». Time Magazine